Blog

Leia em 8 minutos
Altimus
17/10/2018
190 visualizações

Geração de boletos bancários para clientes na sua loja de veículos

Nos dias de hoje é comum encontrar lojas de veículos que utilizem boletos bancários para complementar algum valor que o cliente não tinha no momento para a conclusão do negócio. Mas muitas lojas reclamam que quando o cliente atrasa este sempre liga para a loja, para que seja atualizado o vencimento e isso acaba dando um pouco de trabalho.

Esse é apenas uma das várias dificuldades que a utilização dos boletos bancários traz. Mas a novidade é que em breve todos os boletos bancários serão obrigados a ser registrados e com isso não será necessário atualizar mais o vencimento dos mesmos. Isso mesmo, você poderá ir ao site do banco e pagar qualquer boleto mesmo vencido sem se preocupar, pois como todos os boletos serão registrados as multas e juros já serão calculados automaticamente, trazendo assim uma praticidade enorme para os clientes e lojas de veículos.

 

Abaixo seguem mais informações da Febraban a respeito dessas alterações:

 

O boleto bancário tal qual conhecemos hoje foi criado em outubro de 1993, por meio da Carta Circular nº 2.414 que determinou procedimentos para a implantação da compensação eletrônica de cobrança.

Passados 25 anos de seu surgimento, pouco ou quase nada mudou. Boletos vencidos só podiam ser liquidados no banco emitente do documento de compensação, informações de mora e multa muitas vezes geram dúvidas e retrabalhos e em várias ocasiões os pagadores conseguiam efetuar a liquidação de títulos já remetidos para protesto em cartório. Além disto, tínhamos o fantasma do boleto sem registro, modalidade preferida dos fraudadores de plantão. Esta modalidade era muito utilizada para aplicar golpes, prejudicando não só empresas, mas também os pagadores.

 

Com o objetivo de trazer mais segurança para todas as partes envolvidas, praticidade para os pagadores e isonomia para o sistema como um todo, o Banco Central do Brasil, responsável por regular e fiscalizar as instituições bancárias no país, determinou que todo boleto de pagamento contenha tenha os dados de CPF ou CNPJ do beneficiário e do pagador, valor e data de vencimento, conforme as Circulares n°s 3.461/093.598/12 e 3.656/13, sacramentando assim o fim da cobrança sem registro. Além disso, por iniciativa da FEBRABAN (Federação Brasileira de Bancos) em conjunto com a rede bancária, decidiu desenvolver um sistema integrado de informações de cobrança bancária. Isto permitirá que todas as informações de um boleto emitido pelo Bradesco, por exemplo, sejam consultadas no momento do pagamento no Itaú.

O principal benefício prático desta modernização do sistema para os pagadores, é a possibilidade do pagamento de um título vencido em toda a rede bancária brasileira e não mais somente na rede do banco emitente do boleto. No momento do pagamento, o banco recebedor consulta o sistema centralizado e recebe a informações de mora e/ou multa para calcular o valor de pagamento.

 

No quesito, no momento do pagamento o banco recebedor mostrará também o nome ou Razão Social do Beneficiário do boleto, assim como o CPF ou CNPJ do mesmo. Será disponibilizado ainda o nome ou Razão Social do Pagador, bem como o seu CPF ou CNPJ. Desta maneira, pode-se evitar pagamento de um boleto fraudado.

No exemplo de pagamento no Mobile Banking da CEF de um título vencido emitido pelo Bradesco. São disponibilizadas as informações do Beneficiário e do Pagador. Também são mostradas as informações originais do título, como valor, vencimento e juros de mora.

Também será permitido padronizar diversos parâmetros como permitir ou não o pagamento com valor diferente do recebimento menor, bloqueio do pagamento após o recebimento e diversas outras especificações pertinentes ao pagamento do boleto. Estes parâmetros passarão a ser respeitados por toda rede bancária nacional e não mais somente pelo banco emissor da cobrança.

 

Em operação desde julho de 2017, quando passaram a ser processados os boletos de valor igual ou acima de R$ 50 mil, a Nova Plataforma vem gradualmente, incorporando os títulos de valores inferiores à sua base de dados. A mais recente etapa do cronograma para funcionamento do novo sistema começou no fim de agosto deste ano, com a incorporação dos boletos de valor igual ou acima de R$ 400,00. Títulos não registrados nesta faixa de valores não são mais aceitos para pagamento.

A partir de 13 de outubro de 2018, os boletos de cobrança de valores igual ou acima de R$ 100,00 passarão a trafegar obrigatoriamente pela Nova Plataforma da Cobrança para processamento das informações de pagamento, possibilitando aos consumidores maior conveniência e segurança na operação. A partir de 27 de outubro de 2018 será a vez dos boletos de valor igual ou maior a R$ 0,01 e em 10 de novembro de 2018 todos os títulos de cobrança passarão a transitar pela Nova Plataforma de Cobrança.

 

Fonte: FEBRABAN https://portal.febraban.org.br

 

 

Esperamos que você tenha gostado desse material. Comente sua visão e compartilhe com outros colegas de profissão, a troca de informações sempre gera bons resultados.  Até a próxima, muito sucesso e boas vendas!

Compartilhe: