Blog

09/02/2016
704 visualizações

Carro de luxo driblando a crise: vendas sobem 20% em 2015

Marcas que têm modelos acima de R$ 100 mil contrariam queda no setor.
Mas dólar alto dificulta atingir novos patamares, dizem analistas.

 

Embora 2015 tenha sido marcado por uma das mais profundas crises da história da indústria automotiva brasileira, as marcas premium, que vendem apenas carros acima de R$ 100 mil, continuaram distantes da realidade de queda nas vendas do mercado como um todo pelo 3º ano consecutivo.

 

Somando apenas 3% dos 2,1 milhões de carros de passeio novos vendidos no país no ano passado, 8 marcas analisadas pelo site do G1, cresceram 20%, em média, em 2015, em relação ao ano anterior. É um crescimento maior do que o de 2014 sobre 2013, que foi de 18%. O resultado foi puxado por avanços fora da curva de duas fabricantes.

 

O volume total de 66,7 mil unidades no ano passado é o dobro das vendas de 2012 - primeiro ano "cheio" da alta de 30 pontos percentuais no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para modelos importados, anunciada pelo governo brasileiro no final de 2011 com objetivo de atrair investimentos ao país. Dali para frente, só houve crescimento (veja gráfico).

 

No entanto, segundo analistas, será cada vez mais complexo atingir novos patamares e desviar de dificuldades como dólar mais alto e a desconfiança com relação à economia brasileira.

 

É difícil prever até quando Audi, BMW, Jaguar, Land Rover, Mercedes-Benz, Mini, Porsche e Volvo conseguirão manter distância da crise do setor no Brasil. "A bola de cristal está quebrada", afirmou Ivar Berntz, da consultoria Deloitte.

 

 

Fora da curva:

Além de "descolarem" das marcas de maior volume, as 3 grandes alemãs - Audi, Mercedes e BMW - comemoraram vendas recordes no Brasil em 2015.

 

Mais do que isso, as duas primeiras registraram crescimento de mais de 40% em relação a 2014.

 

O resultado foi influenciado por uma mistura de novos produtos com estratégia de preços agressiva, expansão da rede de concessionários, ampliação de opções de financiamento, melhoria no pós-vendas com preços fixos de revisões e construção de fábricas no Brasil.

 

Com a produção nacional mais consolidada, a BMW já vinha de um volume maior e não entrou muito na briga de preços. A consequência foi um avanço bem menor, de 5,3%, caindo da liderança, que ocupou em 2014, para a 3ª posição do mercado brasileiro de carros premium.

 

As demais marcas do segmento estão bem distantes das alemãs e apresentaram números contrastantes. A Land Rover, por exemplo, registrou o 2º ano seguido de queda nos emplacamentos, com 8,8 mil unidades. Mini (marca do grupo BMW) e Porsche também caíram, 17% e 3%, respectivamente. Já a sueca Volvo avançou 22%, enquanto a Jaguar (do mesmo grupo que tem a Land Rover) pulou 34% sobre um volume bem pequeno nos anos anteriores.

 

 

Fonte: G1

 

Compartilhe: